Vacinas no lixo, teoria da evolução perdendo espaço e os impactos da legalização do aborto



Achou que não ia ter newsletter do Gizmodo Brasil? Achou errado meu caro carnavalesco de 2024. Fizemos uma pequena pausa para descansar no "Bloco dos que esperam a vacina" na semana passada, mas estamos de volta e com tudo!

Nesta semana, o que aconteceu com o "país da vacina", a eterna briga da teoria da evolução com o criacionismo e o que a legalização do aborto muda nas políticas de saúde em um país. Tem muito mais, é claro. Vem com a gente.

Vacinas no Brasil: um legado indo para o lixo

Até a década passada, o Brasil era conhecido como uma das maiores referências mundiais em vacinação. Erradicou várias doenças, tem uma rede pública de saúde capilarizada, técnicos experientes, capacidade de produção etc. Mas, no meio de uma das maiores pandemias da história, esse mesmo país sofre com atraso em vacinação, falta de insumos e ausência de coordenação. O que aconteceu?

De acordo com historiadores da saúde e especialistas em vacinação ouvidos pelo Gizmodo Brasil o que aconteceu foi a falta de investimentos em campanhas de vacinação — em boa parte prejudicadas por políticas negligentes. E isso é muito perigoso, ainda mais quando colocamos em perspectiva histórica a importância que as vacinas desempenharam no Brasil e o quão difícil foi construir esse legado que agora é ameaçado. Leia mais aqui.

Teoria da Evolução — Por que ainda disputa espaço com criacionismo?

Charles Darwin morreu em 1882. Um dos maiores nomes da biologia, revolucionou o mundo com a teoria da evolução. Essa teoria é responsável por avanços importantíssimos, desde o desenvolvimento de vacinas até a salvação de espécies em extinção.

No entanto, muita gente ainda trata a teoria da evolução apenas como uma hipótese. Teoria é, na verdade, um “corpo substantivo de conhecimento” e não algo que necessita de mais provas. Nesse meio-campo, o criacionismo continua ganhando espaço e se travestindo de conhecimento científico quando, na verdade, é apenas fé.

Conversamos com historiadores da ciência e biólogos para entender por que, mais de um século depois, as pessoas ainda continuam com dificuldade em entender o que é ciência e o que é fé. Leia aqui.

Quais são os números que mudam após a legalização do aborto?

Não importa o que você pensa sobre aborto do ponto de vista filosófico ou moral. É uma questão de saúde pública e, portanto, é preciso ser discutido com números e evidências científicas. Para colaborar com esse debate, fomos atrás de quais números mudaram depois que países legalizaram o aborto.

Em nações como EUA, Portugal e França o número de abortos diminuiu por conta da legalização. E não só: gravidez indesejada de adolescentes e morte de mulheres também foram reduzidas. Veja mais em nossa reportagem.

O que mais rolou no Gizmodo Brasil

Indicamos também

  • Como os dados pessoais têm sido usados em campanhas políticas na América Latina e qual o panorama jurídico disso? O InternetLab mapeou.

  • O Telegram tem crescido por conta das pataquadas do WhatsApp, mas não só. O aplicativo russo virou um grande refúgio da extrema-direita, como mostram os dados do Núcleo.

  • Não é de hoje que os aplicativos de bem-estar te prometem uma vida melhor. Mas eles continuam falhando em resolver o grande problema do século 21: como nossos trabalhos nos alienam. Lá no The New York Times.