Acordo de Paris, Nasa e tênis gamer

Olá queridos leitores! Estamos de volta com a newsletter do seu site preferido de tecnologia e ciência. Nesta semana, estamos testando o envio na terça-feira (e semana que vem será na segunda-feira). Após os testes, prometemos que sempre será no mesmo dia da semana. Outra pequena mudança é que, desta vez, vamos com um pouco menos de texto, mas mantendo a rica seleção de links para vocês aproveitarem a semana toda.

Antes, gostaríamos de agradecer. A mudança está sendo um sucesso e a newsletter da semana passada teve ótimos números de engajamento. Estamos só começando. Mas você pode, desde já, indicar esse conteúdo para um amigo. É só clicar no botão abaixo e enviar para ele:

Mande para os amigos

Os EUA de volta ao Acordo de Paris

Quem se preocupa com a sobrevivência da humanidade não subestima a urgência de todo e qualquer esforço em frear as mudanças climáticas. Por isso, a notícia de que Joe Biden está buscando inserir os EUA novamente no Acordo de Paris é uma das mais importantes dos últimos tempos.

O novo presidente dos EUA enviou carta às Nações Unidas confirmando a intenção de trazer o país novamente para o Acordo de Paris e aguarda um retorno em apenas 30 dias. É um passo importantíssimo na contramão de medidas de Trump, que tornaram mais fácil poluidores emitirem gases que aquecem o planeta.

As novas negociações climáticas da ONU acontecerão em novembro deste ano. Até lá, a expectativa é que Biden anuncie sua nova meta de emissões. Com a promessa de zerar as emissões de gases de efeito estufa até 2050, os EUA precisariam reduzir as emissões em 43% (em relação a 2005) até 2030 — um corte de 3% ao ano.

Mas isso talvez ainda não seja suficiente. E, no Gizmodo, explicamos todas as nuances das metas, desafios e questões climáticas que Biden deve enfrentar com urgência, pois o relógio continua correndo.

E a Nasa hein?

Vamos aproveitar que estamos falando de Joe Biden e bater um papo sobre a Nasa, que também deve mudar bastante com a nova administração da Casa Branca. Esse é um ano importante para ela — afinal, temos a rover Perseverance chegando a Marte em fevereiro, o Telescópio Espacial James Webb sendo lançado em outubro, além do Space Launch System que pode estrear ainda neste ano.

Ao longo de 2021 saberemos mais sobre o que Biden acredita ou não ser importante para a agência espacial. Por isso, perguntamos a diversos especialistas quais devem ser, afinal, as prioridades da Nasa. Exploração lunar, marciana e geopolítica espacial estão entre os temas mais citados. Confira aqui.

Já leu o Gizmodo Brasil hoje?

O que mais rolou de bom no Gizmodo Brasil

Em fevereiro, quando a rover Perseverance chegar a Marte, ela levará dois microfones e poderemos, pela primeira vez, ouvir os sons do Planeta Vermelho. Como você pode imaginar, as coisas devem estar silenciosas por lá. Ainda assim, será muito útil para conhecermos melhor o planeta. Explicamos aqui.

Enquanto você chora para conseguir rodar Minecraft no seu computador, tem gente colocando uma RTX 3080 em um tênis. É sério. As empresas RTFKT e NZXT resolveram criar um pisante com placa de vídeo de última geração, cooler e, claro, iluminação RGB. Não dá FPS.

Já sabemos que a B.1.1.7, variante britânica do coronavírus, se espalha mais rápido. Mas, até agora, acreditava-se que ela não seria mais letal do que as cepas anteriores. Infelizmente, dados inéditos revelam que ela pode, sim, matar mais. Obviamente, cientistas estão muito preocupados. Por outro lado, temos uma boa notícia: o laboratório Moderna anunciou que suas vacinas protegem também contras as novas variantes do coronavírus.

Jack Ma, o excêntrico bilionário por trás da Alibaba, estava desaparecido há três meses, quando fez críticas ao sistema regulatório chinês e passou a sofrer represálias pesadas do governo. Muitos se preocuparam com seu paradeiro, mas parece que ele está vivo. Ao menos é o que indica sua breve participação em um vídeo feito para professores na última semana.

E a LG mais uma vez deu sinais de que deve desistir do mercado de smartphones. Não é exatamente uma surpresa, já que é de conhecimento público que a sul-coreana não consegue competir com a Samsung e está rasgando dinheiro no ramo há um bom tempo. Ainda assim, é meio esquisito já que não tem nem um mês que ela anunciou celulares "enroláveis" na CES 2021. Explicamos a novela aqui.

O Pix chegou chegando. Ele já representa 80% das transações bancárias e pode ser usado para fazer compras em lojas físicas de varejistas ou até mesmo para pagar a conta de luz. Nós fizemos um resumo das principais contas que você pode pagar com o seu.

Tem mais? Tem mais!

  • Em tempos de burrice coletiva, é interessante olhar para os gênios. Afinal, você já parou para pensar o que é necessário para ser um? Não estamos falando de ser inteligente, mas genial. Craig Wright, que é apenas um cara inteligente e professor em Yale, fala das características comuns das mentes brilhantes. Lá na Aeon (em inglês).

  • Falando em burrice, vamos para os "Kits Covid" com cloroquina, ivermectina e outros medicamentos sem eficácia comprovada para o tratamento do coronavírus. Eles não são apenas inúteis, mas são uma ameaça à saúde pública. E a revista Questão de Ciência explica por quê.

  • Precisamos, mais uma vez, falar sobre algoritmos racistas. A tecnologia não é neutra — ela reproduz, automatiza e amplifica problemas sociais. Por isso, é necessário discutir políticas e técnicas para evitar que tecnologias continuem a reproduzir o racismo. O pessoal do Tilt aborda como.

  • Belchior diria que viver é melhor do que sonhar, mas tenho minhas dúvidas. Sonhar ajuda a expandir a consciência e aprender coisas novas. É quase como tomar LSD, como indicam estudos, muito bem resumidos e organizados na Nautilus (em inglês).

Por hoje é só, pessoal. Nos vemos semana que vem.

Kaluan Bernardo, editor-chefe do Gizmodo Brasil.